terça-feira, janeiro 3

Outros Artistas 1977



Aqui há dias tive, mais uma vez, o prazer de ver e ouvir ao vivo, "este figurão", reconhecido artista da escrita de intervenção que foi figura pública bem popular nos (belos) tempos do post-revolução-de-Abril.

O arquiteto que relegou para segundo plano os cálculos do cimento armado com que se fazem os prédios de habitação que abrigam as pessoas, para dar prioridade à combinação de palavras com que se fazem os textos que enchem os livros que educam as pessoas.
O arquiteto que, desde cedo na vida, trocou as obras de construção civil pelas obras de composição literária, escreveu e declamou em 1977, no Programa da RTP "A Visita da Cornélia" o seu mais forte poema.

Eu sou português
aqui
na brilhantina em que embrulho,
do alto da minha esquina
a conversa e a borrasca
eu sou filho do sarilho
do gesto desmesurado
nos cordéis do desenrasca.

Nasci
aqui
ao pé do mar
duma garganta magoada no cantar.
Eu sou a festa
inacabada
quase ausente
eu sou a briga
a luta antiga
renovada
ainda urgente.



(José Fanha)

1 Comentários:

Blogger Maria disse...

Ai que saudades da Vaquinha!
Com as porcarias que todas as TVs, sinto falta da RTP única. Por isso, vejo tanto a RTP Memória.
Beijinhos
Maria

06/01/12, 14:17  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial