quinta-feira, março 11

Coisas Antigas

Cacilhas

Encontrar no seguinte excerto de crónica jornalística, qualquer semelhança com a actualidade política nacional de 2010, será, obviamente, pura coincidência... ou grande maledicência.

«Temos um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; e este, criado de quarto do moderador; e este, afinal, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.

E a Justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas.

Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no Parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar.»

(um escrito de Guerra Junqueiro, 1896)

2 Comentários:

Blogger RS disse...

É verdade. E triste. Constatar que ao fim de 114 anos está tudo na mesma! Mal!

13/03/10, 23:27  
Anonymous Anónimo disse...

Nos anos da brasa comi aqui muitas vezes
As sandes de torresmos eram óptimas.

VIVA O PROLETARIADO DA MARGEM SUL


Pinta os lábios de vermelho
Passa meia hora ao espelho
Mostra-me do que és capaz
Hoje é dia de passeio
E enquanto eu me barbeio
Passa o pente no rapaz
A cidade é tão bonita
Quando vamos de visita
À saída da portagem
E mais tarde pela 'linha'
Bebe-se a brisa marinha
E aprecia-se a paisagem
Quando acaba o casario
Onde não chega o Bugio
Vem a Boca-do-Inferno
O mar em contestação
Se isto é assim no Verão
O que fará no Inverno
Mandei vir o que pedias
Isto um dia são dias
Na esplanada das muralhas
Para nós são limonadas
O rapaz pediu queijadas
- Cuidado com as migalhas!
O Sol já se quer deitar
Está na hora de abalar
Arrepia-me esta aragem
Fui onde Deus pôs a mão
Volto à minha condição
De regresso à outra margem

XL

16/03/10, 10:20  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial